quinta-feira, agosto 10, 2006

Parar, Acalmar-se, Descansar e Curar-se

Nesta semana sugerimos a leitura do texto (clique aqui) onde o Thay fala sobre os aspectos da meditação budista, shamatha (cessação) e vipashyana(olhar em profundidade).

É um texto básico de budismo onde o Thay detalha o aspecto de cessação da meditação e aponta muitas de nossas dificuldades com a prática.

Aproveite!

Para ver as notícias da semana clique aqui.

Para obter o texto clique aqui

5 comentários:

Leonardo disse...

Lutar contra a força do hábito é um grande desafio. Esses padrões que se consolidaram com um tempo são amarras que hoje percebo como limitadores e geradores de sofrimento, mas em vários casos ainda não tenho forças para me soltar.
O remédio está no texto: Andar consciente, respirar consciente etc. Tenho meditado diariamente e tenho percebido que alguns padroões antigos começam a se dissolver lentamente, muito lentamente, mas percebo me há avanços.

É a transfromação do milho em pipoca. É sofrida mas vale a pena.

José disse...

Só com muita prática para quebrar o ciclo das forças do hábito. COmo o Thay bem diz, a prática da respiração consciente é a chave para a transformação da pessoa. Medito diariamente e posso comprovar que funciona. Não é rápido, mas com disciplina e paciência acontece...

heide disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
heide disse...

Acolher o medo, respirar, olhar de novo e sorrir...

Esta semana numa situação pessoal onde sentia-me com medo e incapaz, o meu orientador me disse:
- "Assustada? respire.
Não olhe para cima. Nem para baixo.
Não se assuste com o tamanho da montanha. Faça a etapa de hoje."

Aquietei-me, senti o meu medo. Respirei, conversei com Budha e prossegui.

Meu querido orientador conhece o mestre e já vive em paz.

Oportuno e reconfortante o texto. Aliás, nós criamos oportunidades numa feliz convivência na sangha.

Meu carinho, amor a todos irmãos.

Shirley disse...

Senti-me muito bem lendo este texto. A força do hábito é algo realmente poderoso. Nossa mente se condiciona com o que nela colocamos. Tenho um amigo que sempre me diz que a raiva que sentimos hoje é a soma de pequenas irritações que deixamos irem se acumulando com os anos. Percebo isso muito claramente. E não só a raiva, mas a tristeza, o orgulho, etc. É bom parar e respirar... Voltamos para nossa casa interior. É bom estar em casa...

abraço a todos