quarta-feira, janeiro 26, 2011

Primeiro Treinamento - Reverência a Vida

Nesse mês de fevereiro te convidamos a refletir e buscar novas formas de praticar o Primeiro Treinamento de Plena Consciência. Os Cinco Treinamentos de Plena Atenção são a maneira mais concreta de praticar a plena atenção. Eles são frutos da nossa prática de plena atenção, não algo imposto a nós por alguém. Os Cinco Treinamentos de Plena Atenção nos ajudam a mudar, a nos transformar.

O Primeiro Treinamento (clique aqui) é o seguinte: Consciente do sofrimento causado pela destruição da vida, eu me comprometo a cultivar o insight do Interser e da compaixão, e a aprender maneiras de proteger a vida das pessoas, animais, plantas e minerais. Estou determinado a não matar, a não deixar que outros matem e a não apoiar nenhum ato de matança no mundo, seja na minha maneira de pensar ou no meu modo de vida. Ao ver que as ações que causam sofrimento surgem a partir da raiva, do medo, da avidez e da intolerância – que, por sua vez, baseiam-se no pensamento dualista e discriminativo - cultivarei a abertura, a não discriminação e o não apego a pontos de vista para transformar a violência, o fanatismo e o dogmatismo em mim mesmo e no mundo.

Segundo Thay o primeiro treinamento existe para nutrir nossa compaixão. Sem compaixão não podemos nos relacionar com outros seres vivos. A compaixão também nos beneficia e nos faz uma pessoa feliz. Cultivar a compaixão é crucial. Ela traz bem-estar para nós e para o mundo. Precisamos nos treinar para que nossa compaixão cresça dia a dia.

Que hábito você poderia mudar para praticar melhor o Primeiro Treinamento?

Se você quiser ler a nossa newsletter semanal clique aqui ou nos mande um e-mail (clique aqui) para passar a recebê-la diretamente.

Um comentário:

Laura Gianini disse...

Sempre faço dois exercícios: um de sempre observar meus sentimentos de aversão (raiva, inveja, apego a minhas opiniões) o outro que faço faz muitos anos é olhar para as pessoas que estão sofrendo (qualquer que seja o seu sofrimento) e inspirar a dor delas e expirar alívio para elas) essa prática ampliou muito meu sentimento de compaixão.