quinta-feira, julho 14, 2011

Reconhecendo as causas do sofrimento (parte 1)

Onde estão as causas do seu sofrimento? O que faz esse sofrimento continuar existindo, o que o mantém vivo? Mesmo depois de reconhecer seu sofrimento é necessário identificar o que o alimenta.

Thich Nhat Hanh no texto de hoje (clique aqui) explica os dois primeiros dos quatro nutrientes: os alimentos e as impressões sensoriais. Grande parte de nosso sofrimento resulta do fato de não prestarmos atenção ao que comemos, sejam alimentos seja o que vemos sentimos, cheiramos, etc.

Se você quiser ler a nossa newsletter semanal clique aqui ou nos mande um e-mail (clique aqui) para passar a recebê-la diretamente.

5 comentários:

claudia becker disse...

Acho que é a primeira vez que venho direto neste blog, estou acompanhando estes textos sempre por email. Obrigado por enviar, sempre despertam algo a observar, e praticar.

No dharma

Claudia Becker

Neide Rodriguez disse...

Que maravilha, acordar bem cedinho, meditar e após a meditação abrir os e-mails deparar-se com esse texto, que nos leva a uma reflexão profunda de todos os nossos movimentos e seus desdobramentos.
Muito obrigada por compartilhar!
gassho

Simão José disse...

Primeiramente obrigado pelo texto. Tenho começado a acompanhar o blog e gostado muito. Eu tenho uma dúvida, porém. No livro "Os 5 Treinamentos para a Mente Alerta", Thich Nhât Hanh diz que não devemos matar nem vegetais, nem minerais! Como fica nossa alimentação se seguirmos este treinamento? Obrigado.

Leonardo disse...

Simão,

o Primeiro treinamento diz: "Consciente do sofrimento causado pela destruição da vida, eu me comprometo a cultivar o insight do Interser e da compaixão, e a aprender maneiras de proteger a vida das pessoas, animais, plantas e minerais.(...)"

Ele fala em aprender meios de proteger a vida. Ele incentiva você a buscar um modo de alimentação que agrida o mínimo possível os animais, vegetais e o planeta Terra.

Não matar é impossível. Ao ferver água para beber já estamos matando micro organismos. O que temos que buscar é minimizar este impacto ao máximo dentro de nossas possibilidades. No meu entender é disso que fala esse treinamento.

Espero ter ajudado.

Simão José disse...

Agredir o mínimo possível, minimizar o impacto.
Ok.Vamos tentar!

Obrigado.