quinta-feira, novembro 15, 2007

O Verdadeiro Poder

Esta semana sugerimos que você estude um texto, (clique aqui) traduzido do último livro do Thay, onde ele fala sobre o verdadeiro poder. Ele ensina que no Budismo vemos o poder diferentemente do modo que a maioria das visões no mundo. Os budistas estão interessados no tipo de poder que traz felicidade e não sofrimento.

Normalmente as pessoas perseguem o poder financeiro e político. Muitas pessoas acreditam que se atingirem estes tipos de poder, podem fazer muitas coisas e podem ser felizes. Mas se nós olharmos profundamente, veremos que as pessoas que estão correndo atrás de poder sofrem grandemente.

Através da história do executivo Frederick e do bilionário presidente de uma grande corporação o Thay, de forma contundente, nos convida a rever nossa postura e a refletir sobre a noss vida diária.

Se você quiser ler a newsletter semanal clique aqui ou nos mande um e-mail (clique aqui) para passar a recebê-la diretamente.

3 comentários:

zélia disse...

gostaria de agradecer muitíssimo por ter me permitido ler esse texto , e também queria dizer do quanto eu já refleti sobre cada texto que esse blog me inspira , sabe eu sou uma costureira da cidade de Diadema SP um lugar violento , eu sou pobre , aqui não se fala quase em budismo , quando se fala se torce o nariz , mas eu queria dizer que se fala de amor , e pra mim budismo é amor , as pessoas me perguntam qual igreja vc vai? vc madureceu tanto !!! e eu digo uma que fala de amor .

Néca Ivone de Moura Pereira disse...

Recolho-me a minha ignorância e agradeço tão vasto enriquecimento através de tanta sabedoria. Agradeço muitissimo e sempre busco ler e refletir tudo que me é chegado, gratuitamente, por e-mail e de tanto valor.
Tenho prática de Taiji chuan, noções do Taoísmo e me identifico muito com filosofia Budista também.
Néca-Ivone de Moura Pereira
Cidade de Porto Alegre/RS.

Felipe - São Paulo disse...

Esse texto me diz muito especialmente pelo meu momento profissional onde sem perceber estava achando que fama e reconhecimento seriam causas para minha felicidade. Essa frustração me levou inclusive a ter atritos com minha esposa.

Lendo o texto percebi que estava jogando minha verdadeira felicidade fora e buscando uma ilusão.

Fico grato ao mestre Thay por partilhar esses insights.

Felipe