sábado, janeiro 10, 2015

Sofrer não basta

O sofrimento, as ansiedades, o medo, a raiva fazem parte da vida. Não há nada errado em sentir ou passar por essas experiências. O budismo, no entanto, nos convida a não nos deixar ser dominados por essas experiências e nos ensina práticas de como podemos transformar esses sofrimentos em felicidade

Nesse primeiro texto de 2015 (clique aqui), Thich Nhat Hanh nos mostra que não devemos deixar que o sofrimento nos subjugue. Ele afirma que temos que entrar em contato com as maravilhas da vida que estão em nós e ao nosso redor disponíveis a todo momento. Ele ensina que mesmo a vida sendo dura; mesmo sendo difícil, às vezes, é preciso sorrir... devemos tentar.

Se você quiser ler a nossa newsletter semanal (clique aqui) ou nos mande um e-mail para contato@viverconsciente.com para passar a recebê-la diretamente.

3 comentários:

Sirius disse...

Tenho estado com Thay nestes últimos três meses, desde que várias ocorrências me colocaram no "olho do furacão". lendo este texto percebi o quanto não consigo me desvencilhar do sofrimento, embora esteja conectada com o Dharma. Cobro-me muito por não conseguir ver o outro lado e sei que o vejo, escrevendo aqui eu me sinto dividida. Será que o sofrimento que acredito que sinta é um vício ou condicionamento?
Grata pela oportunidade e pelas notícias sobre Thay.

Igor Fernandes disse...

Somos "forçados" a ser um poço de amargura. É impressionante como a vida ocidental nos conduz a isso. Eu tenho tentado ser menos pessimista. É difícil desmontar isso, mas já comecei a retirar os "tijolos" de cima desa construção que bloqueia minha visão do Real.

Leonardo Dobbin disse...

Acho que é possível escolher. Não é fácil mais possível. Muitas vezes o sofrimento é feito de armadilhas e condicionamentos da minha mente. Quando estou atento e percebo, consigo mudar a sintonia.